Curso H517 :

A PSICOLOGIA DA REGRESSÃO A VIDAS PASSADAS

MORRIS NETHERTON

Tradução de Herminia Prado Godoy

    Formação de Padrões vitais

Um estudo cuidadoso do comportamento humano revela apenas dois padrões autênticos : padrões de sobrevivência positivos e negativos. Cada qual consiste de muitas fases dinâmicas, repetidas em eventos e comportamento e que constituem um padrão.

Exemplo I - "passividade" é uma fase, ou dinâmica, na estrutura completa de um padrão. Ela é precedida por uma ou mais dinâmicas e seguida por uma fase de transição que continua o padrão completo para a repetição.

Exemplo II - "sacrifício"- é uma posição dinâmica que ocorre quando um padrão continua até sua conclusão óbvia. As fases dinâmicas combinadas irão interagir com comportamento que garantirá os resultados de padrão. "Quando confrontado com trauma, torno-me passivo, concordando em sacrificar qualquer coisa e esperar que alguém me proteja."

Exemplo III - O "protetor" é uma identidade dinâmica assumida em resposta à identidade "incapaz" ou "de crise" de outro padrão. A patologia entrelaçada destas dinâmicas reforça os sentimentos e comportamento de cada pessoa envolvida.

Exemplo IV - "inocência" ou "felicidade" são conclusões dinâmicas para cuja obtenção existem os padrões. "Sei que serei feliz após ter sacrificado tudo e ter encontrado alguém para tomar conta de mim. "

Uma costureira utiliza um molde a partir do qual é confeccionada uma nova peça de roupa. Ao cortar o tecido, é impossível cortar apenas uma manga para fazer uma vestimenta inteira. Os "moldes" vitais são os mesmos que da roupa, uma dinâmica corresponde a apenas uma fase, que precisa de outras para se completar.

Os padrões vitais são comportamentos tanto positivos como negativos formados pela necessidade da sobrevivência, e que são únicos a cada indivíduo. A mente inconsciente não reconhece positivo ou negativo, e assim ambos existem com a mesma força, como motivação para decisões conscientes.

A capacidade de previsão é embaçada e distorcida quando estamos envolvidos em padrões de sobrevivência. O pensamento é impulsionado pelo medo, por isso ao olhar para frente vemos apenas as fases de um padrão familiar. A lógica é distorcida, de modo que é difícil perceber que "estou fazendo a mesma coisa de novo". Na fase de transição do estabelecimento de padrões, a ameaça é temporariamente diminuída, e a análise posterior revela que "não posso crer que fiz a mesma coisa de novo". Já que a visão prévia não pode reconhecê-lo e a visão retroativa não pode acreditá-lo, o padrão fica no lugar para ser repetido.

Cada um de nós sobrevive ao repetir eventos de vidas passadas em formações complexas que anseiam pela resolução. O reconhecimento do padrão completo é vital na terapia, pois é necessário para modificar cada fase dinâmica. Quais quer dinâmicas não-resolvidas remanescentes irão continuar, em nível experiencial, a se ligar a traumas similares, assim recriando a ameaça à sobrevivência do padrão original.

Origens da metodologia

Desenvolvi o "método Netherton de terapia de vidas passadas" inícialmente sem conhecimento sobre reencarnação ou de terapia. Eu sabia apenas que as religiões orientais acreditavam em reencarnação, e que a terapia ocidental era uma completa incógnita. Entrei na terapia e encontrei a reencarnação quase no mesmo momento.

Tive acesso espontâneo a uma experiência de vida passada tanto na segunda como na terceira sessão, cada qual trazendo mudanças notáveis nos meus sintomas físicos. Devido a estas entradas espontâneas, eu acreditava que esta era a maneira de se acessar vidas passadas. Também me dei conta do estado emocionalmente alterado em que me encontrava antes de cada sessão, e a claridade que surgia quando este estado retornava ao normal após o fim das sessões.

Meus sintomas físicos do momento existiam como parte do estado alterado, e desapareciam quando a descarga emocional completava os eventos passados. Eu fazia gráficos e notas dos pontos de conexão entre os sintomas atuais e os traumas passados. Tornou-se claro que eu estava resolvendo eventos de vidas passadas na minha experiência de vida atual. Este conceito formou a estrutura de toda uma terapia que se desenvolveu ao longo dos anos seguintes.

Alguns anos mais tarde observei regressões utilizando induções hipnóticas tradicionais, que pareciam omitir muito da estrutura daquilo que eu considerava vital para mudanças autênticas. Estas sessões eram relatórios visuais baseados em fenômenos, nos quais a experiência era observada pelo cliente que observava os acontecimentos. As induções programas atuavam como guias sutis porém eficientes, à medida que os clientes se deparavam com eventos passados consistentes com a imagem da indução. Alguns eram solicitados a "relaxar, respirar fundo, e visualizar-se descendo lentamente por uma escadaria..." Os clientes consistentemente encontravam eventos passados que refletiam o "fundo da escadaria". Alguns estavam trancados em porões, outros se perdiam em cavernas onde nada encontravam e interrompiam a sessão.

Outros eram instruídos a "relaxar, respirar fundo, e ver três portas à sua frente. Escolha aquela que o levará à sua vida passada". Isto produziu diversas sessões em que a confusão tornava a resolução quase impossível. Um cliente não conseguiu entrar na cena por ter um medo constante de escolher a porta errada.

Uma terceira visualização utilizou três janelas nas quais o cliente poderia encontrar vidas passadas. Estas sessões produziram clientes que estavam "isolados e sozinhos do lado de fora olhando para dentro".

Uma indução freqüentemente usada pede à mente inconsciente que "volte pelo tempo até encontrar uma vida passada significativa." Isto inicia um movimento de procura que pode permitir o mau direcionamento inconsciente. Dois clientes ficaram em estado drogado no nascimento e foram incapazes de identificar a experiência. Segue-se abaixo um exemplo de linguagem que tanto abre a descoberta inconsciente como focaliza o evento passado apropriado.

"Inconscientemente, você já está centrado e focalizado na experiência inconsciente onde você precisa liberar o trauma. Você já está lá. É onde começou o problema de sua vida atual."

Esta indução evita "procurar", "caminhar", "olhar", e começa diretamente no evento tal como escolhido pelo guia interior do cliente. Ela evita até mesmo pedir por uma vida passada, pois este não é sempre o lugar apropriado para começar. Após utilizá-la uma ou duas vezes, raramente consigo terminá-la antes que comece a resposta do cliente.

Imagens inconscientes e modos perceptivos  existem para motivar e facilitar a integração entre comportamento e sentimentos. Eles formam a realidade interna da auto-imagem, características de personalidade, expressões de sexualidade, de limites e de relacionamento. Em geral, elas determinam nossa capacidade de criar um lugar para nós mesmos no mundo.

Fortes traços de caráter são o resultado de imagens que definem nossa comunicação com o mundo externo. Nossas forças e fraquezas causam impactos naqueles a nossa volta, motivando reações e respostas aos padrões de nossas vidas. Isto pode levar outros a assumirem uma identidade psicológica que leva a um relacionamento co-dependente.

Imagens internas são acumuladas de um amplo conjunto de experiências da atualidade e de vidas se estendendo ao longo do passado. Os componentes mais importantes a criarem a individualidade existem agrupados dentro da experiência inconsciente, e interagem para definir nossa realidade interior.

Dicas e indicações de vidas passadas

As imagens e ações de sonhos podem predizer eventos ainda por acontecer, avisar-nos de perigos atuais, ou indicar um assunto não-resolvido da vida presente ou passada. Os sonhos confusos surgem quando um agrupamento mistura cenas e sons diversos a um só tempo. Clarificado terapeuticamente, cada sonho separado pode carregar uma mensagem comum a todos, e pode ter uma voz relevante quando resolvido.

Um cliente de vinte e cinco anos falava muitas vezes de sonhar acordado em se tornar um milionário com a idade de trinta anos. Suas fantasias incluíam muitas aventuras exóticas, eróticas e extravagantes que o dinheiro lhe traria. Após a terceira repetição deste sonho desperto, perguntei a ele por que esperar até os trinta ? A fórmula mágica pode trazer o dinheiro com a mesma facilidade aos 27 anos que aos trinta. A pergunta o fez cair em si, e ele percebeu que ele havia muitas vezes movido a idade mágica para a frente, assim nunca a atingindo.

Sessões de vidas passadas revelaram uma morte por assassinato quando criados lhe roubaram uma fortuna recentemente herdada. A morte de seu pai e sua riqueza subsequente haviam lhe custado sua própria vida. Pelo tempo que ele mantivesse sua fantasia agradável ele nunca enriqueceria, e assim ficaria vivo. O bloqueio mental para a segurança financeira foi removido quando ele liberou o trauma passado.

Erupções, ou "grandes avanços", são reações não-apropriadas a eventos específicos do tempo atual. O comportamento público resultante não adere aos limites da realidade, porém injeta influências de vidas passadas como um comportamento aberrante. A re-estimulação continuada sobrepuja os controles conscientes, permitindo o comportamento inadequado.

Dinâmica factual revelada por descobertas de vidas passadas

A prova de existência surge quando eventos e imagens da memória são consistentes com e validados por eventos reconhecidos do mundo externo. Muitos que se submetem a terapia de regressão necessitam encontrar "fatos sólidos" no mundo externo para validarem seus achados internos.

Estes não são difíceis de obter, pois registros de falecimento e nascimento têm sido mantidos por muitos anos na maioria dos países, e provêem certificação quando necessária. Quando um cliente recebe uma certidão de nascimento ou de óbito a qual valida nomes, datas, e lugares de uma sessão, surge aí também uma validação de sua existência infinita e transpessoal.

A razão mais convincente para acreditar em reencarnação é também a mais simples : é a explicação mais fácil e mais lógica para a estrutura evolutiva da vida na terra. "Como podem eventos reais da França em 1805 surgir como parte de minha memória ? " Lógica simples : você estava lá. Você viveu naquele tempo e naquele lugar.

"Por que um bebê de um ano precisa morrer num acidente de carro ? " Lógica simples : o ano de vida foi uma parte curta de acontecimentos vindos antes desta vida atual. Foi necessário para resolução adicional de temas conhecidos apenas à alma do bebê. A alma regressará para concluir a jornada interrompida quando o acidente aconteceu.

Os últimos trinta anos de terapia de vidas passadas contêm muitos exemplos de provas de existências anteriores. Seis ou oito clientes, desconhecidos uns dos outros, encontram uma experiência passada em comum com circunstâncias únicas em que cada qual tem um papel distinto. Quando eles compartilham a experiência na atualidade, eles adicionam fatos novos para formar um eventos histórico completo.

Um exemplo definitivo de validação ocorreu durante uma demonstração de treinamento nos Países Baixos. Uma jovem não falava inglês e nunca havia viajado além de Amsterdam. Sua a confinava à sua casa e a alguns lugares muito próximos de casa. A fobia havia começado com a idade de dezesseis anos, quando a necessidade por isolamento se tornou gradativamente mais exigente. Ela evitava multidões, lugares abertos, e confrontações, confiando apenas em seus parentes mais próximos.

Na sessão, ela chegou a uma morte em campo de concentração, a qual concluiu diversos meses de exposição no pátio aberto do campo. Ela entrou na experiência no momento em que um número de identificação é marcado a ferro quente em seu braço esquerdo. Ela então disse seu nome, aniversário, nome dos pais, e aldeia de origem a um guarda que os anotou num registro do campo. Isto nos deu datas e lugares que seriam importantes depois.

Os fenômenos começaram quando vergões vermelhos surgiram em seu braço esquerdo com ela no sofá à minha frente. Os números se tornaram visíveis antes que ela falasse e correspondiam àqueles do registro do campo, ao lado de seu nome. Quando os números estavam bem visíveis, foram fotografados por membros de nosso grupo, claramente comprovando esta somatização física. Quando completamos a sessão com a morte dela, os números desapareceram.

Algumas semanas após meu retorno a Los Angeles, recebi documentos que haviam sido conseguidos na Holanda, enviando apenas o número de identificação do campo ao Museu do Holocausto em Israel. O relatório enviado confirmou nome, data de nascimento, nome dos pais, aldeia de nascimento, data e campo onde a morte ocorreu. Estes eventos são evidentes por si só. Aquela jovem poderia conhecer aqueles fatos apenas tendo vivido aquela vida. Lógica simples : ela viveu então, naquele lugar, e morreu aquela morte. Estes fatos são não-importantes quando comparados com a eficiência da sessão. Ela modificou os sentimentos da jovem, e ela começou a retornar à sua vida normal.

A exploração terapêutica do período pré-natal tem sido parte de muitas terapias transpessoais, e se tornou o foco da terapia de vidas passadas em seus anos iniciais. Havia poucas pesquisas científicas disponíveis, até que os trabalhos de Stanislov Grof, MD, e Thomas Verney, MD, fossem publicados nos anos oitenta. Ambos comandaram projetos amplos de vários anos de duração, os quais confirmaram o que muitos de nós haviam encontrado na experiência prática. Dr. Grof encontrou em suas sessões estágios de desenvolvimento pré-natal, com conexões às impressões uterinas em experiências de vidas passadas.

O Dr. Verney encontrou influências pré-natais em seu próprio trabalho, ao longo de um período de vinte anos. Seu trabalho revela o feto como sendo ativo, com sentimentos inconscientes e imagens formando padrões e crenças. O Dr. Verney afirma em seu livro A Vida Secreta da Criança Não-nascida que as impressões fetais são possíveis, começando no sexto mês de gestação. Ele chegou a esta conclusão baseado no desenvolvimento fetal, que torna percepções fisicamente possíveis a partir desta data. Durante uma conferência que estudava terapia pré-natal em 1989, o Dr. Verney observou sessões em que demonstrou-se existir receptividade fetal já na concepção.

Ambos os médicos melhoraram em muito a consideração séria da terapia pré-natal como sendo viável e autêntica. Para aqueles de nós estranhos à pesquisa, eles são de fato acréscimos bem-vindos a este campo.

Conexão da célula à alma

Os sintomas físicos que são parte de uma morte de vida passada são levados à concepção seguinte, e reintroduzidos como parte do novo código de DNA. Durante as primeiras seis a oito semanas de gestação, as experiências da mãe irão fornecer os componentes verbais e emocionais do desenvolvimento físico de glândulas, órgãos, sistema nervoso, e de fato, de todo o corpo. Assim, a afirmação da mãe, "minhas costas estão me matando", irá definir a formação física da coluna do feto, e se conectar a uma morte passada por enforcamento. Sessões durante este período inicial de gestação revelam o processo pelo qual a memória física é levada para esta vida.

O corpo diabético relembra morrer de inanição. Enxaquecas são memórias físicas de enforcamento ou de golpes na cabeça. A esclerose múltipla é o resultado de memórias de morte prolongada em campo de batalha, com ferimentos que paralisam o corpo físico. Estas são apenas algumas das memórias do corpo, levadas da vida passada à encarnação seguinte.

Uma menina de quinze anos foi encaminhada para mim devido à dores de cabeça crônicas e a dores nas costas. Testes médicos não conseguiam encontrar causa física para a dor, e asmedicação era apenas parcialmente eficiente. Estava em consideração a cirurgia para bloquear os nervos cranianos causando as dores de cabeça, sem mais tratamentos disponíveis para as suas costas.

Sua mãe havia morrido três anos antes, deixando ela e o pai sozinhos, com apenas parentes distantes e poucos amigos. Após dois anos, seu pai havia casado novamente, com uma mulher com dois filhos, um mais velho e o outro mais jovem que minha cliente. Ela pareceu se adaptar bem, e a família aparentemente se integrou numa única unidade. O filho mais velho, um rapaz, era desportista, e o pai da menina logo estava envolvido com os projetos escolares do menino. A outra menina, mais jovem, era ativa num grupo de canto que viajava para se apresentar.

As dores de coluna e cefaléias de minha cliente começaram numa tarde quando o seu pai estava saindo para um jogo de futebol. Os sintomas dela foram tão severos que o pai ficou em casa e buscou cuidados médicos para ela. Estes episódios continuaram até que os recursos médicos estavam exauridos, e a vida da família estava dominada pela dor da menina.

Quando começamos a explorar a patologia dela, tornou-se aparente que ela era "a filha dele" e digna dos "cuidados dele" enquanto a dor persistisse. Se ela parasse, ele retornava às atividades atléticas do menino, e ela se sentia abandonada. Focalizamos na morte da mãe dela, permitindo-lhe penetrar e completar o processo de luto, o que começou a modificar suas crenças e sentimentos sobre ter sido traída e abandonada pela mãe. Quando isto aconteceu, envolvemos o pai em seu próprio luto, que ele nunca havia completado, e começamos a definir um novo relacionamento. Minha cliente havia se sentido abandonada pelo pai e desejava desesperadamente estar com sua mãe. Toda vez que ele saía, ela rezava em silêncio para que sua mãe retornasse, em espírito, e a confortasse.

Estes sentimentos intensos re-estimularam sua experiência natal, que, por sua vez, reativou a dor do fórceps e de uma torção da coluna para conseguir completar o parto. Junto com a dor vieram as palavras de amor e de encorajamento da mãe, e de orgulho em dar ao marido "uma bela filha". Ela estava disposta a suportar a dor para ficar em contato com a voz da mãe, e para conseguir que seu pai a tratasse como tendo o mesmo merecimento que o enteado, pois ela era "a filha dele".

Prós e contras da sobrevivência

Os padrões vitais contêm as dinâmicas necessárias para relacionamentos pessoais e escolhas profissionais. Estes padrões dinâmicos se repetem ao longo de toda uma vida para criar experiências saudáveis, ou aquelas doentias "familiares". A escolha de cônjuges utiliza dinâmicas de padrões que podem ser criativas, sustentadoras, e saudáveis, ou destrutivas e confusas, com uma conclusão inevitável de infelicidade. O mesmo ocorre quando a escolha da carreira é dirigida por padrões negativos, os quais constantemente bloqueiam o avanço. Sucesso e avanço são elusivos, até que as motivações positivas guiem as escolhas.

Uma personalidade "protetora" irá encontrar uma personalidade "carente", pois seus padrões se complementam, e reforçam um ao outro através de dinâmicas entrelaçadas. Uma pessoa que necessita de "crises" periódicas para "sentir-se viva" será atraída para um padrão de "comportamento irresponsável", o qual constantemente administra mal o dinheiro, precisando de "gerenciamento de crise" para salvar a situação.

Os padrões são a base para atrações pessoais, tipos de personalidade, amigos, e escolha de carreira. Eles nos dizem no primeiro encontro que algumas pessoas são "bons velhos amigos", enquanto outros permanecem como "totais estranhos" após conhecê-los durante um longo tempo.

Um ponto de vista transpessoal

Traduzido do sânscrito, karma significa "ação". Quando combinado à reencarnação, torna-se "ação incompleta" ou "ação que precisa ser completada". Ele existe no foco de energia sutil porém profundo que se liga aos padrões vitais e a eventos deixados incompletos no momento da morte que termina uma vida passada. A estrutura do karma difere grandemente das crenças ocidentais. O karma não é uma versão hindu da crença cristã "colhes o que semeias", nem "faz a outros como fazem a ti". Não envolve punição, sofrimento ou vitimização como parte de suas estrutura. É uma força benigna que existe para influenciar o processo de resolução espiritual.

Causa e efeito existem apenas até que  temas complexos sejam completamente resolvidos removendo a necessidade de repetição de a sua estrutura. Quando a causa não pode ser completada pelo efeito, o karma é criado. O karma une um relacionamento cósmico à evolução por reencarnação, num impulso de chegar à perfeição espiritual. O karma nunca é pessoal, tal como ensinado pelas mentes ocidentais, porém é parte da estrutura total do cosmo impessoal. Esta estrutura torna disponível tudo que é necessário para vir de encontro às necessidades finitas e infinitas da evolução da vida. É um acordo feito com você mesmo, por você mesmo, para ser completado numa época e lugar de sua escolha. Pode ou não envolver outra pessoa. Nunca pode ser usado como desculpa para continuar com relacionamentos ou comportamentos tóxicos.

O ciclo de nascimento, morte e renascimento é repetido durante um número infinito de vezes se cada vida passada ocorrer em tempo linear. A mente finita requer pensamento linear, por estabelecer os limites de início, progressão e conclusão. A existência da mente consciente requer a presença de lógica, seqüência, e estágios de desenvolvimento para funcionar sem confusão de identidade.

Na concepção, a alma escolhe voltar a encarnar em lugares e situações com base na memória de vida passada imediata e na experiência acumulada de muitas vezes que se estendem para trás no tempo. No momento de entrada, ela inicia um processo de integração das memórias inconscientes recentes com as mais antigas. enquanto o corpo físico novo está se desenvolvendo. Durante estes nove meses, o feto inconsciente é incapaz de se auto-identificar devido à ligação com sistema de suporte e função mental consciente maternos. Esta integração faz com que temas não-resolvidos forme padrões inconscientes que existem por ocasião do nascimento. O script de vida inconsciente está instalado para continuar o processo de resolução quando a mente consciente do bebê começa a se desenvolver.

À medida que a vida física continua, acontece uma troca constante entre mensagens conscientes e inconscientes. Os scripts inconscientes exigem a resolução de assuntos anteriores, motivando decisões e comportamento conscientes. A mente consciente reconhece a lógica inconsciente inadequada e processa para modificá-la. Por ocasião da morte, os temas não-resolvidos remanescentes são levados com a alma, depois que as mentes consciente e inconsciente se fundem no conjunto de experiência espiritual. Estes padrões não-resolvidos, por sua vez, definem circunstâncias e relacionamentos da próxima encarnação. O ciclo se repete enquanto a alma migra pela estrutura cósmica até, outra vez, assumir forma física.

Aplicações terapêuticas

Um problema será primeiramente reconhecido pelos sintomas patológicos que focalizam atenção na necessidade de diagnóstico. Muitos problemas existem nas áreas deficientes em crescimento espiritual, de maneira que indica-se o tratamento para problemas com crescimento básico e desenvolvimento do ser.

Este tratamento segue os sintomas ao longo de muitos níveis de existência e de estágios de desenvolvimento, até sua fonte ser descoberta. Uma revelação completa da fonte mostra a patologia existindo como parte de um tema maior da evolução da alma. O propósito da terapia é facilitar o processo que abre o fluxo de energia de cura, resolvendo o problema em sua origem, e devolvendo o equilíbrio do crescimento a todo o sistema. Os terapeutas respeitam a integridade de intenções do cliente enquanto apóiam o crescimento e desenvolvimento de auto-estima e identidade pessoal.

Comparações

A terapia de vidas passadas tem semelhança próxima com o processo baseado em catarse de Charcot e Mesmer. Freud estudou e usou estes métodos até adotar sua modalidade de "livre associação". À medida que se coloca ênfase crescente na ciência, a terapia se afasta do modelo experimental para o médico , "cientificamente comprovavel".

Muitos terapeutas modernos não são treinados para compreender ou usar o processamento a fundo de regressões. Não existem requerimentos para uma resolução completa dos problemas dos terapeutas, fazendo com que reações emocionais visíveis causem sentimentos de incapacidade e ineficiência. "Intervenção", "modificações", e "insights" não são eficientes na terapia centrada no cliente, pois as suas técnicas existam o acesso ao script inconsciente. Pouco se ganha ao "pensar sobre o problema e negociar um compromisso".

Algumas terapias são proximamente ligadas à pessoa responsável por sua criação e desenvolvimento. É difícil separar a terapia centrada no cliente de Carl Rogers, ainda que este conceito seja básico na terapia de regressão.

A Gestalt terapia é sinônimo de Fritz Perls, cuja personalidade é descrita por quem lhe é próximo como um "velho malvado". Seu conceito de completamento e resolução também é um objetivo primário da terapia de regressão. Sua técnica de repetição de diálogo para liberação de traumas é central ao método Netherton. O processamento no nível experiencial de primeira pessoa é outra de suas técnicas eficientes utilizada em sessões de regressão. Perls eliminou os acessórios intelectuais e científicos da psicologia e dirigiu suas sessões ao desenvolvimento e uso da dinâmica interna do cliente. Ele negou a existência de uma mente inconsciente, declarando que toda experiência está acontecendo "agora", e tudo de uma mesma "mente" . Este foco em se viver "aqui e agora" é outro objetivo da terapia de regressão definido por Fritz Perls.

A terapia primal, ou "grito primal", foi criada por Arthur Janov e se tornou um sucesso rapidamente, pois devolveu a expressão aberta de sentimentos e emoções à terapia. A expressão emocional havia sido desencorajada na maioria das terapias até que a técnica "primal" propositadamente invocou seu processamento, como parte da liberação de trauma e dor. A catarse que produz o "grito" também induz à mudança e liberação de traumas significantes na terapia de vidas passadas. A regressão encoraja mais do que a mudança de crenças; ela consegue a percepção da evolução da alma como básica à dinâmica do processo primal.

Realidade espiritual

A terapia de vidas passadas inclui o melhor de muitas modalidades. A eficiência da terapia deriva do uso de uma abordagem completa que abre os limites da mente, explicando tanto memórias antigas como modernas.

A terapia de vidas passadas traz modificações da experiência humana, da célula até a alma. Seus sinais de mudança podem ser sutis ou catárticos, porém sempre profundos. A presença e influência do "eu"  (self) infinito nos relacionamentos diários é evidente à medida que crenças e emoções negativos são eliminados. As percepções do mundo externo passam por alterações e a visão interior reflete a realidade autêntica.

Esta realidade é expandida quando a alma é reconhecida como a última fonte determinante da evolução da identidade. Quando um cliente revive a liberação da alma de seu corpo morto em uma vida passada, os conceitos do indivíduo dentro do universo estarão mudados para sempre.

Durante as suas primeiras sessões, os clientes aprendem que as respostas a todas as suas perguntas são encontradas dentro deles mesmos. Esta liberdade de procurar por respostas no mundo externo constitui a fundação sobre a qual outras dinâmicas serão realizadas.

Seguindo próxima à realização interna está a responsabilidade externa. Esta crescente "habilidade de responder" beneficia a comunicação tanto nos relacionamentos pessoais como nos profissionais. À medida que estes níveis interagem, a habilidade para auto-identificação sadia é formada. Auto-imagem, auto-estima e autoconfiança são reforçados e refletidos em nossas vidas.

Um benefício da terapia de vidas passadas, que evolui ao longo de diversas sessões, é a remoção de hipocrisia e preconceito. Torna-se aparente que o ódio racial é motivado pela experiência pessoal e não por qualquer patologia de outras raças. O ódio é motivado por medo e confusão que, por sua vez, são motivados por um trauma racial pessoal em experiência passada. Se você ainda não teve aquela cor de pele numa vida passada, você a terá numa próxima.

"O que diz a Bíblia ? "

Antes de se comparar a compatibilidade de terapia de vidas passadas e cristianismo, é necessário saber qual versão de cristianismo deve ser considerada. Os cristãos modernos vão desde os unitários até a Irmandade Cristã Branca. A Igreja Unitária aceita abertamente todas as crenças, dos fundamentalistas aos agnósticos e ateus. Todos são incluídos em discussões abertas durante seus cultos. Reencarnacionistas são tão bem-vindos quanto Batistas. Há uma observação bem-humorada freqüentemente citada sobre as preces Unitárias : elas começam com "a quem possa interessar". A Irmandade Cristã Branca é um grupo "cristão" extremamente radical, dedicado à violência, "pureza" racial, e supremacia branca, tudo "em nome de Jesus". Uma crença em reencarnação poderia levar a pessoa em questão à busca pela próxima vida.

A teologia cristã atual se baseia nos ensinamentos de Paulo, com pouca influência daqueles que realmente conheceram o Cristo durante a sua vida. Paulo sistematicamente forçou suas próprias crenças e interpretações após sua conversão na estrada para Damasco. Já que seu dogma pessoal excluía crenças transpessoais, estas foram excluídas quando ele se tornou a autoridade central da igreja cristã.

Eliminação adicional da teologia da reencarnação aconteceu no século VI, quando o imperador romano Justiniano removeu todos os escritos e ensinamentos do sacerdote Orígenes. O papa foi forçado a declarar anátema à igreja os trabalhos dele, bem como a menção de seu nome. Seus ensinamentos e escritos foram forçados à clandestinidade durante diversos séculos.

Orígenes foi o teólogo de crenças e estudos da jornada da alma. Ele também escreveu em defesa do catolicismo contra os seus atacantes de tempos iniciais. A partir destas ações, passou-se a acreditar que a igreja católica jamais aceitou ou acreditou em reencarnação. Uma revisão dos textos de Orígenes irá indicar outros fatos.

Se comparada à igreja católica de Paulo e Justiniano, a terapia de vidas passadas tem pouca compatibilidade. Se Orígenes for estudado, a comparação é mais favorável, pois seus escritos apresentam a base para a reencarnação na evolução da vida.

Antes de Paulo, a igreja cristã incluiu muitas das crenças e dos ensinamentos dos essênios. Acredita-se que Jesus estudou com estes mestres no Egito durante os doze primeiros anos de sua vida. Existem ainda pequenos indícios na literatura cristã da atualidade, porém a evidência factual precisa ser buscada em outras partes.

A terapia de vidas passadas é a melhor pratica fora da área de todas as religiões organizadas. Se sua autenticidade for constantemente sujeita a crenças religiosas, nenhuma terapia irá sobreviver ao labirinto destas crenças confusas e paradoxais. Acredito que os benefícios da terapia de regressão incluem uma integração mais saudável da vida espiritual e da física, o que fortalece a procura por verdades pessoais e crescimento.

O conhecimento de um lugar no universo traz paz, segurança e valores que se refletem na maneira pela qual a vida se desdobra e se desenvolve ao longo do tempo. O potencial para a terapia de vidas passadas aumenta com a aceitação crescente que ela tem nas práticas convencionais. Comecei a utilizar a reencarnação em terapia processual em setembro de 1965, quando o assunto era considerado "estranho" e "marginal". Raramente eu falava de detalhes quando era perguntado com o que trabalhava, naqueles anos iniciais.

Hoje em dia, a TERAPIA DA REGRESSÃO é estudada e utilizada por muitos terapeutas convencionais, que reconhecem seu potencial para causar mudanças. Este processo pode abrir a mente de muitas pessoas para as modificações transpessoais o que, por sua vez, renova a percepção da aventura evolucionária do indivíduo. Estas memórias vão muito longe no tempo passado, e muito à frente para o desconhecido amistoso.

"Ser presente e ser real "

Ser presente e real acontece naturalmente quando as sombras de nosso passado não mais distorcem a nossa realidade atual. A habilidade de responder está presente no centro de comunicações e decisões, quando motivações saudáveis guiam o nosso comportamento consciente.

VOLTAR


HOME